terça-feira, 25 de maio de 2010




A RATOEIRA Autor Desconhecido



Um rato olhando pelo buraco na parede vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo em que tipo de comida poderia ter ali. Ficou aterrorizado quando descobriu que era uma ratoeira.

Foi para o pátio da fazenda advertindo a todos:
"Tem uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa."

A galinha, que estava cacarejando e ciscando, levantou a
cabeça e disse:
"Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que é um grande
problema para o senhor, mas não me prejudica em nada,
não me incomoda."

O rato foi até o cordeiro e disse a ele:
"Tem uma ratoeira na casa, uma ratoeira."

"Desculpe-me Sr. Rato, mas não há nada que eu possa
fazer, a não ser orar. Fique tranqüilo que o senhor será lembrado nas minhas preces."

O rato dirigiu-se então à vaca. Ela disse:
"O que Sr. Rato? Uma ratoeira? Por acaso estou em
perigo? Acho que não!"

Então o rato voltou para a casa, cabisbaixo e abatido,
para encarar a ratoeira do fazendeiro.

Naquela noite ouviu-se um barulho, como o de uma
ratoeira pegando sua vítima. A mulher do fazendeiro
correu para ver o que havia pego. No escuro, ela não viu que a ratoeira pegou a cauda de uma cobra venenosa. A cobra picou a mulher. O fazendeiro a levou imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre. Todo mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja.

O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o
ingrediente principal - a galinha.

Como a doença da mulher continuava, os amigos e
vizinhos vieram visitá-la.

Para alimentá-los o fazendeiro matou o cordeiro.

A mulher não melhorou e acabou morrendo. Muita gente veio para o funeral. O fazendeiro então sacrificou a vaca para alimentar todo aquele povo.

Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está
diante de um problema e acreditar que o problema não lhe
diz respeito lembre-se que, quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco.


SÁBIOS PORCOS ESPINHOS Autor Desconhecido



Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio. Os porcos-espinho, percebendo esta situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente. Mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que forneciam calor. E, por isso, tornavam a se afastar uns dos outros. Voltaram a morrer congelados e precisavam fazer uma escolha: desapareceriam da face da Terra ou aceitavam os espinhos do semelhante. Com sabedoria, decidiram voltar e ficar juntos. Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que uma relação muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro. Sobreviveram.

MORAL DA HISTORIA:

O melhor do relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades.


John Newton gostava de pregar sobre os temas: Juizo final, Glorificação de Cristo, Ressurreição, Paixão, e Nascimento. Durante a pregação de um destes sermões, ao terminar o culto, o jovem parlamentar inglês, Wilberforce procurou John Newton para um aconselhamento pastoral. Wilberforce externou o desejo de deixar a politica, para evangelizar o seu país. O pastor John aconselhou-o a continuar na política, porque Deus tinha plano de usá-lo para acabar com as injustiças sociais na Inglaterra. O exemplo deste grande servo de Deus, poderia (se quisessem) servir de protótipo de político-evangélico compromissado com a ética cristã. De um político que, embora tenha começado com métodos que no Brasil a justiça repudia, mas, que ainda não desapareceu da polítrica brasileira, que é a copilação de votos por meios ilícitos. Em troca de favores ou benefícios. Para conseguir o apoio popular, gastou o seu dinheiro mandando fazer um grande churrasco para o eleitorado do povoado, consquistando boa parte da população. Ainda não era crente em Jesus. Foi eleito aos 21 anos, e aos 24, já era um politico famoso em toda a Inglaterra. Wilberforce era de familia nobre. Estudou nas melhores escolas, Foi em Cambridge que "foi picado pela mosca azul" como dizem os polícos brasileiros (desejo consumado de entrar para a política). Era um orador espetacular! Por causa de um de seus discursos, conseguiu eleger-se parlamentar para Yorkshire, um dos maiores condados da Inglaterra.

Em Londres William Wilberforce era considerado um orador estraordinário e de grande futuro político. Nessa época o primeiro ministro era William Pitt. Amigo de infância que, chegou a dizer que Willberforce era o maior orador que ele já havia conhecido e dono de uma voz espetacular! O jovem parlamentar,sempre achava que Deus tinha um outro modo de olhar para ele. A sua vida teve grande influência de uma tia metodista, do ministério de George Whitefield, mesmo assim só veio a aceitar a Jesus mais tarde numa viagem.




Capítulo 2
Antes de ser um crente em Jesus, John Newton foi por muito tempo traficante de escravos. Levando-os da África para a Inglaterra e outros países da região. Um dia foi preso e tratado como escravo na África. Quando voltava para a Inglaterra, e o barco estava naufragando, ele pediu a Deus que o livrasse. Esse dia Newton o chamou de "a minha libertação". Passou a ler diariamente a Bíblia e a literatura evangélica, recomendando inclusive o livro de Thomas de Kempis: Imitação de Cristo. Passou a acompanhar os passos de Whitefield e a admirar as ações do famoso pregador John Wesley - fundador da Igreja Metodista. Quando foi ordenado pastor, dirigiu várias igrejas: Olney Parish Church e a Saint Mary, Woolnot, em Londres. Na sua primeira igreja, conheceu e ficou amigo do poeta inglês William Cowper. Os dois dirigiam os cultos e reuniões de oração. Juntos compuseram vários hinos, um para cada tipo de celebração. Em dezembro de 1772, Newton compôs Amazing Grace, apresentando em sua igreja no dia primeiro de Janeiro de 1773, no culto de celebração de ano novo.

Esse hino traduz o sentimento da nova alma de um homem que abandonou o tráfico de escravos para servir ao seu grande libertador. A cada vez que cantamos este hino, ratificamos o seu contexto histórico. Confirmamos o poder transformador da graça de Deus na vida das pessoas. John Newton, além de compositor, era um excelente pregador. Assistindo a seus vários sermões havia constantemente um um jovem de nome William Wilberforce (foto-1759-1833), membro da Câmara dos Comuns


ABOLIÇÃO: UMA VITÓRIA PROTESTANTE!
Capitulo I.

No dia 18 de Fevereiro, os cristãos da Grã-Bretanha, Estados Unidos e Canadá, realizarão um grande culto em ação de graças em comemoração pela abolição da escravatura. Neste dia entoarão em suas igrejas o hino Amazing Grace (Maravilhosa Graça) de autoria do pastor John Newton (foto-1725/1807). Nos Estados Unidos e Inglaterra, esse dia é consagrado como o Amazing Grace Sunday.

Vivemos os dias maus, em que os homens procuram impor um outro modo de vida. Atores, filósofos liberais, Ateus, propagam ser a religião, o maior mal da humanidade. Dá para entender o porquê dos livros não dizerem nada sobre os grandes feitos conquistados pelo protestantismo. Para eles é importante omitir essa coisas.

A abolição da escravatura, é um dos mais importantes capitulos da história da humanidade. Ela não é de autoria dos humanistas ou dos Iluministas. Foi uma página da história escrita por nossos irmãos dos séculos XVIII e XIX e você precisa saber disso, para glorificar a Deus e dizer mais uma vez: Vale a pena ser CRENTE! Foram os crentes da Inglaterra liderados por John Newton e Wilberforce os responsáveis por essa grande proeza.

Em homenagem à data, a Aliança Evangélica Mundial, associada à Walden-media; lançou em 2007, o filme Amazing Grace- A história de Wilberforce - um jovem parlamentar britânico, sobre a abolição. É linda essa história. Vamos acompanhar e comentar.