quarta-feira, 5 de maio de 2010

O pote rachado




O pote rachado


Um carregador de água da índia levava dois potes grandes.
Pendurados em cada ponta de uma vara...
Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito e sempre chegava cheio de água No fim do caminho entre o poço e a casa do chefe.
Enquanto isso, o pote rachado chegava apenas pela metade.
Foi assim por dois anos, diariamente, o carregador entregando um pote e meio de água na casa do chefe.
É claro que o homem estava envergonhado por realizar apenas a metade da tarefa...

Desanimado o carregador desabafou com um homem que estava à beira do poço:
- estou envergonhado porque nesses dois anos fui capaz de entregar apenas metade da minha carga, porque essa rachadura no pote faz com que a água vaze por todo o caminho da casa do meu patrão.
O defeito desse pote me envergonha...
O homem sentindo pena do carregador convidou para que ele o acompanhasse pela estrada ... E, à medida que eles subiam a montanha, foram reparando nas lindas flores que brotavam no caminho.
O carregador percebeu então que o velho pote rachado que vazava permitia aquela maravilha...porque só havia flores no lado em que a água ia pingando e regando o chão..
E com isso a gente tira uma lição
Cada ser humano tem virtudes e defeitos e isso não desmerece ninguém...
Todos temos um lado que é meio "pote rachado".
Porém, com paciência e compreensão dá para encontrar flores no caminho.
Porque - eu arrisco afirmar - é das nossas fraquezas que tiramos as maiores forças.

Onde você coloca o sal?





Onde você coloca o sal?


O velho mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal em um copo d'água e bebesse.
- Qual é o gosto? - perguntou o mestre.
- Ruim - disse o aprendiz.

O mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse outra mão cheia de sal e levasse a um lago.
Os dois caminharam em silêncio e o jovem jogou o sal no lago.
Então o velho disse:
- Beba um pouco dessa água. Enquanto a água escorria do queixo do jovem o mestre perguntou:
- Qual é o gosto?
- Bom! - disse o rapaz.
- Você sente o gosto do sal? - perguntou o mestre.
- Não. - disse o jovem.

O mestre então, sentou ao lado do jovem, pegou em suas mãos e disse:
- a dor na vida de uma pessoa não muda.
Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos.
Quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido de tudo o que está a sua volta.

É dar mais valor ao que você tem do que ao que você perdeu.
Em outras palavras:
É deixar de ser copo para tornar-se um lago.

*somos o que fazemos, mas somos principalmente o que fazemos para mudar o que somos.

Vou contar a história de um círculo...




Vou contar a história de um círculo...


Vou contar a história de um círculo...
No qual faltava um pedaço.
Um grande triângulo fora arrancado dele!
E o círculo queria ser inteiro, sem nada faltando, então foi procurar o pedaço perdido.
Como estava incompleto e só podia rodar lentamente, admirou as flores ao longo do caminho.
Conversou com os insetos. Observou o sol....
Encontrou vários pedaços diferentes, mas nenhum deles servia.

Certo dia, o círculo encontrou um pedaço que se encaixava perfeitamente.
Ficou tão feliz! Seria inteiro.
Incorporou o pedaço que faltava e começou a rodar. Agora que era um círculo perfeito, podia rodar muito rápido, rápido demais para notar as flores e conversar com os insetos.
Quando percebeu como o mundo parecia diferente ao rodar tão depressa, parou, deixou o pedaço na estrada e foi embora rodando lentamente.
Diante dessa historinha arrisco dizer:
Será que somos mais inteiros quando sentimos falta de algo ?

No fundo é bom esperar, nutrir a alma com o sonho de algo melhor.
É boa a surpresa de receber algo que a gente sempre quis e nunca teve....

Quando aceitarmos que a imperfeição é parte do ser humano, e pudermos, a exemplo do círculo, continuar a rodar pela vida e apreciá-la, teremos conseguido a felicidade ....

O homem que tem tudo é, sob certos aspectos, um homem pobre.
Pense nisso!