sexta-feira, 7 de maio de 2010

Bom dia!


as palavras certas tornam a vida melhor...

Pensamento:

O sofrimento é apenas um intervalo entre duas felicidades
Vinícius de Moraes

Mensagem:

Bom Dia.

Era uma palestra motivacional. Achei que seria daqueles eventos chatos, insossos... O que me surpreendeu foi que o palestrante era o professor Sigmar. Eu não o conhecia, até então, mas soube, já nos cinco primeiros minutos, que se tratava de uma pessoa especial.

Entre risos e conselhos, ele falou à plateia a respeito do Bom Dia Hoje. Cheguei em casa e já fiz o meu cadastro. Não contente em receber as experiências deste homem e seus muitos discípulos, logo cadastrei mais algumas pessoas, para que elas tivessem, diariamente, a mesma injeção de ânimo que eu tinha.

E hoje, lendo as palavras do nosso professor, tive vontade de compartilhar uma experiência com você . Então, pedi a ele para que me deixasse fazer isso. Se você estiver lendo, é porque ele deixou.

Este 2010 está sendo um ano de grandes conflitos, mudanças, dúvidas, rebeliões, amores, sensações e problemas. Muitos problemas. Acredito que não sou a única a reclamar deles, não.

Recentemente, mudei de apartamento e agora descobri que tenho uma dívida considerada grande para meus padrões financeiros. Minha irmã e meu cunhado, após 14 anos juntos, estão em processo de separação. Minha mãe tem sofrido com problemas de hipertensão. Há algum tempo eu não vejo meu pai e, por mais que em toda a minha vida eu não tenha tido contato com ele, hoje, com vinte e poucos anos, começo a sentir certa saudade acumulada... Eu tenho um livro para terminar, tenho uma casa para arrumar, quase nunca me sobra dinheiro para ir a alguma festa ou ao cinema, por exemplo. Briguei com meu melhor amigo, a pessoa que mais me conhece em todo o mundo, por bobagem e impulso... Mas a gente vai levando, não é?

Hoje, a caminho do trabalho, resolvi agradecer o fato de eu ter um trabalho, atividade que amo, aliás. Aí olhei pela janela do ônibus e vi essa Curitiba tão cinza e cheia de vida, ao mesmo tempo. Desci e me deparei com uma cena linda: dois velhinhos sentados em um banco de madeira. Ela usava um chapéu de crochê e ele, uma boina. Estavam de mãos dadas. Atravessei a rua, motivada pela pressa de todas as manhãs, e, já do outro lado, olhei para trás. A imagem melhorou. O casal acariciava um cachorro, que estava passando por eles. Aquela cena ficou em minha cabeça... Entrei no elevador e me olhei no espelho. Como será que ficarei quando tiver meus setenta e poucos anos? Será que chegarei lá? Você, que me lê agora, já chegou ou ainda se pega pensando em como deve ser a terceira idade?

Eu estava ali, bem no meio do elevador, quando tentei imaginar os problemas pelos quais aquele casal já havia passado a vida inteira. Juntos ou separados, não importa, todos nós temos pequenas ou grandes infelicidades. Será que é preciso viver tanto para começar a expressar doçura numa manhã de quinta-feira? Por que é que é tão raro ver um casal de adolescentes sentados em um banco de praça, olhando o horizonte, de mãos dadas? Acho que o tempo nos ensina mais do que ninguém... Afinal, o que são os nossos problemas? São chaves motivacionais e é preciso ter tato para perceber isso. Eu, sempre tão analítica, gosto muito de observar as pessoas da terceira idade. Para mim, são as mais bonitas do mundo. Porque elas, geralmente, passam pela dureza da vida e, com o tempo e com tanto aprendizado, voltam a olhar o mundo com a mesma magia de uma criança. Não sei se é por escolha ou consequência, mas sei que transparece, que é visível a sobriedade e a pureza destes nossos velhinhos de boina...

Coincidentemente, saí do elevador e fui recebida com sorrisos. Havia um aglomerado de pessoas. Passei por um estagiário de informática, que me sorriu e desejou bom dia. Passei, depois, por uma servente de limpeza que disse “bom dia, jovem!” e me deu um abraço. Por fim, fui até a copa, roubar uma xícara de café, como faço todos os dias, e a copeira também me sorriu e abraçou com um “bom dia, filha”. Peguei meu café, fui para a minha mesa e o telefone tocou antes mesmo que eu me sentasse. Atendi. Ouvi do outro lado da linha, a voz de um rapaz que sempre me liga, pedindo para marcar algumas entrevistas (eu trabalho em uma assessoria de imprensa). Anotei o recado e ele terminou a chamada dizendo “Obrigada, Daiana. Tenha um bom dia”.

Abri minha caixa de e-mails e lá estava o Bom Dia Hoje. Deixei um riso leve marcar meu rosto e continuei minha jornada. Há problemas e problemas, mas há também a esperança de melhora, sempre. E há, mais do que tudo na vida, pessoas que, apesar de tudo o que vivem, ainda tem a capacidade de desejar um bom dia a alguém. É esse tipo de pessoa que eu quero ser e, se você lê estas palavras, é porque o professor Sigmar me deixou começar em grande estilo.

Não sei como será minha velhice nem sei se chegarei a viver tanto. Mas vivo intensamente e acho que o que todo mundo precisa é de um banco numa praça, uma companhia, e uma manhã bonita, ainda que nublada. Não importa a idade. A gente pode voltar a ver o mundo com olhos de criança a qualquer momento. E eu sei que meu pai estará aqui em meu coração, ainda que eu não tenha com ele o contato que gostaria... Eu sei que minha mãe é a pessoa mais forte do mundo e ela vai cuidar de sua saúde e de seus sorrisos, que são os mais lindos. Eu sei que minha irmã e meu cunhado farão sempre parte da família, estando juntos ou separados... Eu sei que aquele meu amigo, chateado comigo, será sempre o meu melhor amigo. Sempre. Independente do tamanho da mágoa. Eu sei que todo mundo erra e sofre e tem problemas. E eu sei, acima de tudo, que podemos aprender e conseguir dar a volta por cima. Os meus problemas não podem ser assim tão grandes, nem eu sou tão pequena ou impotente. O importante é continuar vivendo e desejar, sempre e com um sorriso no rosto, um bom dia às pessoas de nossa vida. Hoje eu desejo a você, que lê esta mensagem, um excelente dia, cheio de tarefas, com algumas preocupações e, com certeza, com muita coisa boa. A gente tende a ver primeiro os problemas, não é? Mudar o foco da nossa vida, de vez em quando, faz um bem danado.

Tente !

Tenha um Bom Dia Hoje!

Daiana Geremias
Jornalista e aprendiz do professor Sigmar
daiana.geremias@gmail.com
www.universoparalego.wordpress.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário